Como deve sentir-se o espírito de Tim Maia ao ver sua vida exposta?

por Equipe CEVS em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

tim maiaWellington Balbo – Salvador BA.

Dia desses fui assistir ao filme Tim Maia, que retrata a vida do famoso compositor e cantor que viveu no século passado. Sabia alguma coisa da vida de Tim, entretanto nada profundo. Como muitos de nós, eu era apenas um fã de sua voz e composições.

Todavia, o filme me levou a pensar em como Tim Maia, mas não apenas ele, pois filmes assim já saíram sobre Cazuza, Renato Russo e tantos outros, sentem-se ao verem as suas vidas devassadas e escancaradas para milhões de pessoas.

Sim, estão desencarnados, você dirá. Concordo, mas com ressalvas e afirmo: estão desencarnados, mas não mortos.

E se estão apenas desencarnados, porém não desprovidos de sentimento, naturalmente que devem, a depender do seu nível evolutivo, aprovar ou desaprovar os comentários, críticas e julgamentos a que estão sendo expostos.

Se o Espiritismo é claro em afirmar que o espírito é sensível as lembranças que nós devotamos a ele, fica fácil concluir que um filme que retrata sua vida na Terra pode, sim, sensibilizá-lo bastante.

Portanto, fiquei a me indagar: será que temos o direito de devassar assim a vida alheia, por mais que seja uma figura pública?

Sim, porque milhões de pessoas saberão o que fez ou deixou de fazer aquele indivíduo após o filme de sua trajetória terrena, e, em assim sendo sentir-se-ão no direito de comentar, criticar, julgar, opinar e por aí vai…

Qual é o limite do razoável nesses casos? Será que esses espíritos, Tim Maia, Cazuza, Renato Russo sentem-se bem ao verem sua intimidade invadida e ao receberem vibrações, não raro nada caridosas, dos espectadores?

Você ainda dirá, leitor, que filmes foram feitos sobre Chico Xavier, Mahatma Ghandi e outros mais. Porém, sejamos sinceros: quem assistiu aos filmes citados acima sabe bem do que estou falando e o que está sendo abordado nas obras supracitadas.

Breve, 15 de novembro sairá o filme sobre Irmã Dulce, eu creio que irei assistir. Penso que a produção dará colorido bem diferente do que deu a Tim Maia, Cazuza e Renato Russo por razões óbvias e que dispensam maiores comentários.

Por isso, indago a mim e a você: Será, caro leitor, que não seria mais útil para nós e para esses espíritos os deixarmos tranquilos a fim de que reflitam em sua existência?

E se tivermos que lembrar que os lembremos pelas suas composições, vozes e poesias, deixando um pouco de lado o julgamento sobre suas atitudes?

Penso que vida é vida, seja aqui ou no plano dos espíritos, portanto, nenhum ser, seja encarnado ou desencarnado aprovará sua vida sendo exposta sem o seu consentimento.

Como é complicado evocar essas figuras para perguntar-lhes se permitem aprofundarmos em suas vidas, creio que é melhor deixarmos os “mortos” viverem em paz. Ou não?

Pensemos nisto.

Wellington Balbo, 12 de novembro de 2014.

Linkou seu site.

Equipe CEVS

Equipe do Centro Espírita Vinhas do Senhor

Deixe um comentário

Contatos

  • Rua Tomáz Antonio Gonzaga, 305
    Bairro São José - Pouso Alegre - MG
  • (35) 99220 - 8388