Nem só de grana vive o homem…

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Moedas

Wellington Balbo

Recentemente assisti uma entrevista da modelo brasileira Gisele Bündchen, em que ela disse ter sofrido síndrome do pânico. O mais curioso foi o relato de que se sentiu “perdida” porque, de certa forma, pelo seu sucesso faltava um pouco de compaixão alheia.

Mais ou menos assim:

Você é rica, famosa, tem de tudo, portanto, não pode sofrer.

Bem provável que você já tenha visto situações deste nível, em que pessoas com posses materiais falam de suas necessidades, ou fazem qualquer reclamação e alguém saí com uma dessas:

Mas está reclamando de quê? Tem de tudo na vida, deveria agradecer a Deus!”

Este é um assunto pouco abordado e que revela uma mentalidade puramente materialista. É muito comum julgar que indivíduos com bons empregos, carros possantes e muita grana na conta bancária estão com a “vida ganha” e não têm mais qualquer necessidade, como se a vida se resumisse a satisfação dos gozos da matéria. Logo, se as questões materiais estão satisfeitas, a vida está boa, plena, feliz.

Mas não é bem assim que a banda toca. É claro que as questões materiais têm sua importância e influenciam decisivamente nos níveis de felicidade do sujeito, mas há de convir que essas questões estão bem longe de serem as mais importantes da existência humana.

Somos muito além da matéria, somos Espíritos em trânsito por este mundo, e em assim sendo temos as nossas necessidades de ordem espiritual que precisam ser contempladas para que experimentemos um pouco desta felicidade relativa que se pode viver num mundo como a Terra.

Se isto não fosse verdade teríamos a seguinte questão: quanto mais rico o indivíduo maior o seu nível de felicidade.

Entretanto, uma simples observação mostra que se uma boa posição financeira ajuda, esta posição, porém, não garante a paz de espírito advinda de dois pontos além matéria:

Consciência tranquila e fé no futuro.

Sem abraçar a consciência tranquila e a fé no futuro não há como vivenciar uma existência relativamente feliz.

Precisamos, então, olhar as pessoas como Espíritos que são, muito além da conta bancária e das questões materiais, pois é de uma extrema insensibilidade desprezarmos a dor do outro porque ele tem sucesso no campo da matéria esquecendo que este indivíduo é um Espírito imortal, portanto, sofre e passa dificuldades apesar de ter dinheiro.

Olhar sempre o indivíduo como Espírito permite-nos livrar da falta de compaixão alegada pela rica e famosa modelo brasileira.

Linkou seu site.

Deixe um comentário

Contatos

  • Rua Tomáz Antonio Gonzaga, 305
    Bairro São José - Pouso Alegre - MG
  • (35) 99220 - 8388