O Passe – Condições Físicas do Médium

por Fabiola em . Publicado em Magnetismo - Jacob Melo.

Passe_espíritaJacob Melo

Extraído do Livro.: O Passe – FEB

À primeira vista, poderia parecer que apenas aqueles que têm bom condicionamento físico são passíveis de aplicar passes. É fora de dúvida que uma saúde perfeita, um corpo sem doenças, favorecerá enormemente na função de uma boa doação fluídica. Mas, por tudo o que já vimos até aqui, é fácil deduzir que isso não é tudo; afinal, são inumeráveis os casos de pessoas que são socorridas por outras mais débeis e frágeis fisicamente, mas, nem por isso, os alcances são menos expressivos. Contudo, não estamos com isso querendo menosprezar o valor do equilíbrio orgânico do médium passista, notadamente daquele que doa suas próprias energias: o passista magnético, o magnetizador propriamente dito. O cuidado com sua saúde não só é importante como imprescindível.

Vejamos como pensa Michaelus: “Um corpo sem saúde não pode transmitir aquilo que não possui; a sua irradiação seria fraca, ineficaz e mais nociva do que útil, para si e para o paciente.

“Deve-se, entretanto, distinguir entre uma pessoa incessantemente doente (…) da que é apenas atingida de uma doença local, um mal de estomago, dos rins, etc., embora de caráter crônico” (Este é, inclusive, o pensamento de Aubin Gauthier expresso em seu “Magnétisme et Somnambulisme”.)

O mesmo Michaelus, continuando o assunto, traduz a assertiva de Alfonse Bué (do seu “Magnétisme Curatif’) que deve ser bem ponderada: “Não se creia, entretanto, que o poder magnético caminhe de par com a força muscular”.

Apesar de parecer contraditório, a saúde é importante ser velada, mas, de igual modo, não é tudo. Afinal, como o fluxo magnético provém não só do corpo senão essencialmente da alma, é desta que devemos cuidar em primeiro lugar. Só que é indissociável o cuidar de uma sem o zelar da outra.

Outrossim, o estado físico, por si só, não diz tudo o que precisa ser observado; já dissemos, alhures, que a mentalização negativa destrói, desintegra, perturba nossas camadas fluídicas equilibradas e equilibrantes, donde fácil concluir que o físico não é sobrevalente ao estado mental. Muitas vezes, não conseguimos evitar o acometimento de certas doenças em nós mesmos, visto podermos ingerir algo deteriorado sem o percebermos e isso nos complicar a saúde, por exemplo.

Ou então, aquelas epidemias que de tempos a tempos aparecem e nos pegam “desprevenidos”. Até aí está relativamente justificado o problema verificado em nossa saúde, sem, com isso, termos comprometido nossa moral. Mas, existem outras situações que não nos exime das responsabilidades decorrentes:

“A fiscalização dos elementos destinados aos armazéns celulares é indispensável, por parte do próprio interessado em atender as tarefas do bem. O excesso de alimentação produz odores fétidos, através dos poros, bem como das saídas dos pulmões e do estomago, prejudicando as faculdades radiantes, porquanto provoca dejeções anormais e desarmonias de vulto no aparelho gastrintestinal, interessando a intimidade das células. O álcool e outras substâncias tóxicas operam distúrbios nos centros nervosos, modificando certas funções psíquicas e anulando os melhores esforços na transmissão de elementos regeneradores e salutares”. Esta colocação do Espírito Alexandre nos adverte para algumas das coisas que devemos ter cuidado, a fim de não comprometermos nosso corpo somático nem o trabalho de assistência via passes. Afinal, se no exemplo anterior poderíamos ser catalogados, de certa forma, como vítimas das circunstâncias, agora somos os agentes dos distúrbios, por não vigiarmos ou por agirmos em desacordo com os cuidados requeridos.

Corroborando com tudo o que foi visto, ampliaremos, aqui, os compromissos que temos com nossa saúde. Um técnico em planejamento reencarnatório, no plano espiritual, assim se refere a um grupo que prejudicou seus corpos: “Abusaram eles da magnífica saúde que possuíam. Saúde! Bem inapreciável de que o homem desdenha, fingindo ignorar que se trata de um auxílio divino que a solicitude do Altíssimo concede as criaturas (…). Sem a mínima demonstração de respeito à autoridade do Criador, aqueles nossos inditosos irmãos envenenaram os fardos preciosos com excessos de toda a natureza!”. Desnecessário dizer que, se para a vida como um todo a falta de cuidados com a saúde tem repercussões que tais, imaginemos o que ocorre a nível das disposições fluídicas em face da urgência de determinados trabalhos fluídicos.

Por tudo isso, existe um coro uníssono e universal a respeito. Fred Wachsmann nos sintetiza que, “De um modo geral, deve-se evitar tudo quanto importa no desgaste ou perda de energia: excessos sexuais, trabalhos demasiados, alimentação imprópria, hiperácida, hipercarnívora, energética, bem como o álcool, a nicotina e os entorpecentes de toda espécie; deve-se, enfim, viver mais naturalmente e adquirir melhores qualidades”. Carlos Imbassahy, por sua vez, nos adverte: “O Espiritismo (…) aconselha que preservemos o nosso corpo dos elementos ou fatores que lhe diminuam a capacidade de resistência, e assim teremos que nos alimentar, sóbria, mas suficientemente; não podemos perder a noite em prazeres inúteis ou os dias em maus contubérnios e em vícios; não devemos entregar-nos à ociosidade; não usaremos vestes impróprias ao clima; não procuraremos exagerar o recato até o ridículo; não sacrificaremos as benesses da Natureza em nome de convenções ou de uma moral movediça, intermitente, errática, oriunda de mitos, das superstições ou da ignorância. É, enfim, nosso dever, promover a robustez, entreter a saúde, alimentar a existência por meio do exercício físico (…)”.

Linkou seu site.

Deixe um comentário

Contatos

  • Rua Tomáz Antonio Gonzaga, 305
    Bairro São José - Pouso Alegre - MG
  • (35) 99220 - 8388