Schopenhauer e Kardec.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Arthur Schopenhauer

Wellington Balbo – Salvador BA

Artigo reproduzido pelo jornal Momento Espírita, do CEAC Bauru SP.

Gosto muito do filósofo alemão Schopenhauer (1788 – 1860). Ele é direto, objetivo e sem firulas. Um pensador vigoroso e profundo. Na coletânea – a Arte de escrever –  com textos do filósofo pessimista, há interessantes ideias bem traçadas pelo alemão.

Para Schopenhauer é a vontade o motor do mundo. E o homem está sempre refém das suas vontades, desde as mais simples até as mais sofisticadas.

Saciada uma vontade, logo vem o tédio e, por consequência, o desenho de uma nova vontade. Sendo a vontade o móvel principal da ação humana, está escrita uma ciranda: vontade, busca para saciá-la, saciedade e desenho de uma nova vontade, numa insatisfação eterna.

Portanto, para Schopenhauer, viver é sofrer, pois a satisfação nunca chega e as vontades jamais cessam.

Mas não é este o aspecto da literatura de Schopenhauer que queremos exaltar. Há coisas, digamos, mais “pra frentex” que ele escreveu.

Tatuagens

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Tatuagem

 

Wellington Balbo – SAlvador/BA

Dúvidas sobre tatuagem. Podemos fazê-las? Como funciona no mundo dos Espíritos?

Faz algum tempo que recebi, por e-mail, uma dúvida provinda de uma frequentadora de um dos centros espíritas da capital baiana. Dúvida, aliás, sobre um tema que ainda gera um bocado de controvérsias não apenas no movimento espírita mas, também, no seio de outras religiões.

E este tema é tatuagem.

Fazer ou não fazer, eis a questão.

Contato com Espíritos no presídio.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

presidios

 Wellington Balbo – Salvador BA.

 

Alguns anos atrás que minha filha, Olívia, começou a queixar-se de influência espiritual.

Segundo ela, o Espírito de uma menina a perseguia causando-lhe embaraços de todos os tipos. Falava com ela e aparecia-lhe em sonhos.

Como na época morávamos juntos, resolvi, certo dia, conversar com o Espírito que perseguia minha filha.

Fomos até a sala, oramos, e eu, em voz alta, iniciei a fala. Disse para o Espírito sobre Jesus, abordei a questão do amor, perdão, vida após a morte e pedi que seguisse seu caminho, deixando Olívia em paz.

A situação resolveu-se e, desde então minha filha não mais acusou a presença da entidade que apoquentava sua vida.

Bem provável ter sido o caso de um Espírito ainda sem conhecer sua real condição. Parecia-me, realmente, uma entidade muito mais perdida do que má.

O Espiritismo é uma religião?

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Trilogia

Wellington Balbo – Salvador BA.

 Quando garoto, lá em Imperatriz no Maranhão, década de 80 do século passado, gostasva muito de comer os biscoitos recheados da Tostines. E, como eu apreciava a marca, ficava vidrado no aparelho televisor, que ainda não era tela plana, quando aparecia o comercial e um indivíduo perguntava:

Tostines vende mais porque é fresquinho, ou é fresquinho porque vende mais?

Dúvida cruel pairava em minha cabeça infantil e até hoje não consegui responder a esta pergunta, embora, creio, nem mais exista o referido biscoito.

Brincadeiras à parte, vamos ao tema que dá origem ao texto.

A pergunta do título deste texto  foi e ainda é motivo de artigos, textos, discussões em redes sociais e fora delas e debates acalorados por parte de diversos confrades.

O topo da montanha se chama FELICIDADE.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Felicidade 3

 Wellington Balbo – Salvador BA.

 A reforma íntima é sempre abordada nos centros espíritas. Sendo a missão do Espiritismo, segundo Allan Kardec, melhorar moralmente e intelectualmente o homem é natural que o tema seja constantemente debatido.

O que vem, porém, a ser esta reforma íntima? Alguns a consideram como praticar o bem, fazer trabalho voluntário, suportar o cônjuge, almoçar com a sogra todos os domingos sem reclamar… a lista é extensa…

Pode ser que algumas dessas ações constituam-se, de fato, uma melhora interior, porquanto demandam enorme esforço de nossa parte e, relembrando Kardec, aquele que empreende esforço para domar suas más inclinações é alguém que pode ser considerado um autêntico espírita, logo, um ser que iniciou este trabalho de modificação interior.

Mas… seria apenas isto? Ou a tão propalada reforma íntima vai além disto? O quê entender por reformar-se intimamente e, mais: como executar tão delicada tarefa, haja vista que orgulho, vaidade, egoísmo, misturam-se com alguns “pedaços” de virtudes que já conquistamos, como generosidade, humildade e paciência.

Sim, porque limitações e virtudes misturam-se em nós neste estágio evolutivo de espíritos ainda imperfeitos, conforme classificação de Allan Kardec na escala espírita.

Um desafio: simplicidade ao apresentador o orador espírita.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Balbo

Wellington Balbo – Salvador BA.

Nessas andanças por muitos centros espíritas que tive oportunidade de realizar, por conta da tarefa na oratória, encontrei-me com muita gente.

Esses encontros, aliás, uma das alegrias deste trabalho.

Então, conversa, bate papo e interação com amigos espíritas, das mais diversas casas, renderam-me histórias bem interessantes sobre os mais variados temas, como, por exemplo, as apresentações que são realizadas dos oradores espíritas ao público, ou a divulgação de eventos em cartazes e outras formas de publicidade.

Certa vez um amigo, que aqui chamaremos de Cássio, da cidade de Valinhos, (nome e cidade diferentes) confessou-me que esteve em determinado centro espírita para proferir palestra, e quando o chamaram para as devidas apresentações, assim disseram:

Médiuns não são adivinhos.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

mediuns

Wellington Balbo – Salvador BA.

 Em artigo na Revista Espírita, janeiro de 1858, intitulado “Médiuns julgados” Kardec ensina que os médiuns não são adivinhos, mas intérpretes das inteligências do outro mundo.

Logo, o médium sozinho nada produz, pois precisa do concurso dos Espíritos.

Kardec aborda o tema por conta de um teste que acadêmicos fizeram com médiuns para que adivinhassem o que estava escrito numa carta ou lessem algo num livro fechado.

O prêmio de 500 dólares ou 2.500 francos seria dado ao médium que acertasse as respostas.

Médium não é adivinho, mas intermediário dos Espíritos. Os Espíritos, por sua vez, não são fantoches, têm vontade própria e não se sujeitam a este ou aquele capricho, ao contrário, os Espíritos sérios afastam-se de quem age com interesse pecuniário ou por mera curiosidade, no intuito de colocá-los à prova.

Quando o magnetizador não estiver bem melhor abster-se do trabalho.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Magnetismo 2

Wellington Balbo – Salvador BA

É muito comum escutar que os Espíritos farão de tudo e que a nós, encarnados, cabe apenas confiar. Alguns mais crédulos chegam a colocar, se assim podemos dizer, poderes especiais nas mãos dos Espíritos, como se os invisíveis fossem acertar todas as coisas do mundo num toque de mágica, ou, melhor, num toque do além.

Este tipo de ideia tem inúmeros inconvenientes. Livrar os encarnados do trabalho é um deles, pois é por meio do trabalho que progredimos. Outro inconveniente é a acomodação por parte dos encarnados que, ao imaginarem serem os Espíritos responsáveis por tudo, esquecem a ideia da própria capacitação para executar algumas tarefas.

Como serei um bom pai se não me capacito para isto?

Apliquei a ideia de Kardec. A priori, parecer ter dado certo.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Magnetismo

Wellington Balbo – Salvador BA

Desde que o mundo é mundo que o homem preocupa-se com sua saúde física. Com Allan Kardec não foi diferente, ele também ocupou-se das curas físicas, mas com enfoque diferente da medicina oficial, que trata apenas a matéria.

Kardec foi a fundo na essência e pesquisou meios de se curar o Espírito, sede das enfermidades que trazem sofrimento ao corpo.

Na Revista Espírita do ano de 1867, mês de junho, no texto Grupo Curador de Marmande, Kardec traz relatos impressionantes de curas efetuadas pelo grupo dirigido pelo Sr. Dombre, que por meio da aplicação de passes, moralização de obsessores e exercício persistente da caridade promoveram curas excepcionais.

Desbravador baiano

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Telles

Wellington Balbo – Salvador BA.

 Publicação original na Revista Digital Integração, disponível em: http://useregionalsp.org.br/rdi/10-revista-digital-integracao-julho-agosto-2017.pdf

 

Ano de 2017, século XXI e a imprensa espírita goza de grande saúde, liberdade e um vasto campo para suas publicações.

Têm jornais espíritas impressos e virtuais para todos os gostos: há jornais que, aliás, especializaram-se em determinados assuntos. Abordam apenas questões pertinentes ao espiritismo científico, outras publicações tocam na temática do magnetismo e outras, ainda, são dirigidas a quem gosta de mensagens.

Impossível, portanto, colocar em estatísticas quantos jornais e boletins espíritas temos hoje em circulação, isto sem contar as revistas e livros.

Contatos

  • Rua Tomáz Antonio Gonzaga, 305
    Bairro São José - Pouso Alegre - MG
  • (35) 3422 - 0768