• “Bem-aventurados os Pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. "

  • "Não julgueis para não serdes julgados. Pois com o julgamento com que julgais sereis julgados, e com a medida com que medis sereis medidos."

  • "Ponha-te de acordo, sem demora, com teu adversário, enquanto estas com ele a caminho, para que não suceda que te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao seu ministro e seja posto no cárcere. Em verdade te digo, que dali não sairás antes de teres pago o último centavo."

  • "Quem diz que a vida só trás desilusão, é porque nunca fez nada a não ser se iludir"

  • "Tudo é amor. Até o ódio, o qual julgas ser a antítese do amor, nada mais é senão o próprio amor que adoeceu gravemente"

  • "O homem é assim o árbitro constante de sua própria sorte. Ele pode aliviar o seu suplício ou prolongá-lo indefinidamente. Sua felicidade ou sua desgraça dependem da sua vontade de fazer o bem."

  • "Honrar o pai e a mãe não é somente respeitá-los, mas também assisti-los nas suas necessidades; proporcionar-lhes o repouso na velhice; cercá-los de solicitude, como eles fizeram por nós na infância."

Benfeitores Encaminharão

por Valdenir em . Publicado em Orson Peter Carrara.

Abridor

Orson Peter Carrara

             O que se vai ler abaixo escrevi em 2010. Pela atualidade do texto, todavia, e considerando o difícil momento da Humanidade, parece-nos oportuno sugerir outra vez.

No belo romance O abridor de latas, do conhecido autor Wilson Frungilo Jr., editado pelo IDE de Araras, há uma sugestão que merece nossa máxima atenção. Ela está na página 146 da 1ª. edição, de fevereiro de 2009, no capítulo XII – Na Feira.

Permito-me transcrever o parágrafo, que começa na página 145, para apreciação do leitor, claro por si só na proposta que ora espalhamos na presente abordagem:

“(…)  – Meu irmão, fazemos parte de uma porcentagem muito pequena de criaturas que, pelo conhecimento que temos da Doutrina Espírita, da continuidade da vida, das leis de justiça, das oportunidades que Deus, nosso criador, nos oferece, da oportunidade  de nos reencontramos com os que mais amamos, após a desencarnação, da possibilidade do contato mediúnico com aqueles com quem mais temos afinidade, somos mais felizes que aqueles que ainda não tiveram essa oportunidade de conhecer a Religião dos Espíritos. Por isso, meu irmão, devemos retribuir tudo isso, divulgando essa Religião, levando todos esses conhecimentos a eles. E o que podemos fazer? Como começar? (…)”

Um desafio: simplicidade ao apresentador o orador espírita.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

Balbo

Wellington Balbo – Salvador BA.

Nessas andanças por muitos centros espíritas que tive oportunidade de realizar, por conta da tarefa na oratória, encontrei-me com muita gente.

Esses encontros, aliás, uma das alegrias deste trabalho.

Então, conversa, bate papo e interação com amigos espíritas, das mais diversas casas, renderam-me histórias bem interessantes sobre os mais variados temas, como, por exemplo, as apresentações que são realizadas dos oradores espíritas ao público, ou a divulgação de eventos em cartazes e outras formas de publicidade.

Certa vez um amigo, que aqui chamaremos de Cássio, da cidade de Valinhos, (nome e cidade diferentes) confessou-me que esteve em determinado centro espírita para proferir palestra, e quando o chamaram para as devidas apresentações, assim disseram:

Médiuns não são adivinhos.

por Valdenir em . Publicado em Cotidiano - Wellington Balbo.

mediuns

Wellington Balbo – Salvador BA.

 Em artigo na Revista Espírita, janeiro de 1858, intitulado “Médiuns julgados” Kardec ensina que os médiuns não são adivinhos, mas intérpretes das inteligências do outro mundo.

Logo, o médium sozinho nada produz, pois precisa do concurso dos Espíritos.

Kardec aborda o tema por conta de um teste que acadêmicos fizeram com médiuns para que adivinhassem o que estava escrito numa carta ou lessem algo num livro fechado.

O prêmio de 500 dólares ou 2.500 francos seria dado ao médium que acertasse as respostas.

Médium não é adivinho, mas intermediário dos Espíritos. Os Espíritos, por sua vez, não são fantoches, têm vontade própria e não se sujeitam a este ou aquele capricho, ao contrário, os Espíritos sérios afastam-se de quem age com interesse pecuniário ou por mera curiosidade, no intuito de colocá-los à prova.

Tempo de crise

por Valdenir em . Publicado em Orson Peter Carrara.

Crise

Orson Peter Carrara

            Quando surgem as crises – sejam de qualquer origem – o impositivo é de serenidade. Afinal, são nas crises que nos opomos uns aos outros.

A renovação que necessitamos não é obra de um dia ou de décadas, pois a conquista da sublimação exige variadas matérias de domínio pessoal. Um dos significados da palavra sublimação é engrandecer.  Sim, podemos entender dessa forma, engrandecer a vida humana, valorizar, exaltar as vivências. Por outro lado, se pensarmos bem na expressão matérias de domínio pessoal veremos a abrangência do quanto precisamos fazer para domarmos nossos ímpetos agressivos ou egoístas, nossas tendências de arrogância e vaidade, de prepotência ou de imposição e veremos o quanto precisamos na área do domínio pessoal. O mais grave é que agimos ao contrário: queremos dominar os outros…

MATERIALISMO e ESPIRITISMO

por Valdenir em . Publicado em Crônicas - Humberto Campos.

Materialismo

Pelo Espírito Irmão X (Humberto de Campos).

Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Livro: Estante da Vida. Lição nº 21. Página 99.

 Conta-se que o Dr. Adolfo Bezerra de Menezes orientava, no Rio de Janeiro, uma reunião de estudos espíritas, com a palavra livre para todos os circunstantes, quando, após comentários diversos, perguntou, se mais alguém desejava expressar-se nos temas da noite.

Foi então que renomado materialista, seu amigo pessoal, lhe dirigiu veemente provocação:

– Bezerra, continuo ateu e, não somente por meus colegas, mas também por mim, venho convidá-lo a debate público, a fim de provarmos a inexpugnabilidade do materialismo contra as pretensões do espiritismo. E previno a você que o materialismo já levantou extensa lista de médiuns fraudulentos; de chamados sensitivos que reconheceram os seus próprios enganos e desertaram das fileiras espíritas; dos que largaram em tempo o suposto desenvolvimento das forças psíquicas e fizeram declarações, quanto às mentiras piedosas de que se viram envoltos; dos ilusionistas que operam em nome de poderes imaginários da mente; e, com essa relação, apresentaremos outro rol de nomes que o materialismo já reuniu, os nomes dos experimentadores que demonstraram a inexistência da comunicação com os mortos; dos sábios que não puderam verificar as factícias ocorrências da mediunidade; dos observadores desencantados de qualquer testemunho da sobrevivência; e dos estudiosos ludibriados por vasta súcia de espertalhões. Esperamos que você e os espíritas aceitem o repto.

Bezerra de Menezes concentrou-se em prece alguns instantes, e, em seguida, respondeu, aliando energia e brandura:

Um sonho possível

por Valdenir em . Publicado em Orson Peter Carrara.

Um Sonho Possivel

Orson Peter Carrara

             Todo mundo precisa de estímulo. Sempre que somos estimulados, incentivados, temos a grande possibilidade de vencermos nossas dificuldades, de galgarmos degraus de progresso e de construção da dignidade. Quando abandonados, exceto se tivermos em nós uma grande bagagem que nos permita ressurgir das cinzas do abandono e da indiferença, é muito provável que nos embrenhemos pelos caminhos do crime e da delinquência.

Quantos casos tristes de criminalidade da realidade brasileira não se enquadram em relatos de infância com famílias desestruturadas, de convivência com vícios e tráfico de drogas, de pais desequilibrados e abandonos dolorosos que resultam em adultos igualmente desequilibrados e normalmente envolvidos em quadros de crimes e dificuldades enormes de convivência social?

Contatos

  • Rua Tomáz Antonio Gonzaga, 305
    Bairro São José - Pouso Alegre - MG
  • (35) 3422 - 0768